Rede dos Conselhos de Medicina
Em Aracaju, tem início Fórum Nacional de Entidades Médicas Imprimir E-mail
Qua, 08 de Dezembro de 2010 14:16

Com um chamado à integração do movimento médico, teve início nesta quarta-feira (8), em Aracaju (SE), o Fórum Nacional de Entidades Médicas, que pretende ser um espaço de reflexão e debates sobre importantes temas para o futuro da Medicina e da saúde no país. Diante de um auditório repleto, os presidentes da Associação Médica Brasileira (AMB), José Luiz Gomes do Amaral; do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto Luiz d’Avila; da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Cid Carvalhaes; e da Federação Brasileira das Academias de Medicina (FBAM), José Leite Saraiva; além do representante da Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR), Nivio Lemos Moreira Júnior; ressaltaram a preocupação da categoria com o bem estar do individuo e da coletividade e a importância de se buscar uma via única, sem contudo perder a identidade de cada um dos grupos que representam.

“O objetivo deste fórum é colaborarmos para a construção de consensos possíveis, sem a imposição de decisões”, ressaltou o presidente do CFM, uma das entidades organizadoras do encontro. Para ele, é preciso avaliar os argumentos favoráveis e contrários a cada uma das teses apresentadas para buscar o melhor posicionamento diante dos temas. O fórum e outras reuniões que aconteceram ao longo de 2010 valorizam o dialogo entre os representantes do movimento médico e fortalecem a presença das entidades no momento de atuar junto aos tomadores de decisão, lembra o Roberto Luiz d’Avila.

O presidente da AMB também elogiou a realização do fórum: “Estamos em busca de objetivos comuns em nome de um interesse maior que é a saúde  das pessoas as quais assistimos”. Cid Carvalhaes, em nome da Fenam, ainda ressaltou o cuidado que os líderes têm tido neste momento em preservar a individualidade, o perfil, as características de cada entidade. “Podemos ter nossas diferenças na forma de ver as questões, mas o que queremos é o fortalecimento maior e consistente das entidades medica no debate sobre os rumos da saúde brasileira”.

Ao saudar os participantes em nome da Federação Brasileira de Academias de Medicina, José Saraiva, ressaltou o esforço de integração, do qual a FBAM é partidária e colaboradora. Já Nivio Lemos lembrou o compromisso da ANMR com os parceiros (as outras entidades) ao participar e contribuir para a melhora do exercício da Medicina e da oferta da assistência à população, tanto no setor público quanto no privado.

Programação – O Fórum Nacional de Entidades Medicas termina na sexta-feira (10). Ao longo dos próximos dias, os cerca de 300 representantes de conselhos, sindicatos, associações e sociedades de especialidade de todo o país discutirão uma pauta que inclui três temas centrais: a recertificação do título de especialista/área de atuação; os modelos de gestão dos serviços públicos de saúde; e o exame de final de curso para os egressos de medicina.

Hoje, primeiro dia de atividades, os participantes se dedicaram à análise dos vários aspectos relacionados à recertificação dos títulos de especialista. Como expositores encarregados de apresentar o tema à platéia ficaram o 3º vice-presidente do CFM,  Emanuel Fortes, e o secretario Geral da AMB, Aldemir Humberto Soares. Após as explanações, será conduzido um debate no qual todos os inscritos poderão se posicionar.

Em síntese, a recertificação trata de aspectos ligados a  Resolução CFM 1.772/2005,  pela qual os títulos de especialista e os certificados de área de atuação obtidos a partir de 1º de janeiro de 2006 passam a ter validade de cinco anos.  Com a proximidade do fim do primeiro ciclo obrigatório de recertificação do título de especialista e dos certificados de área de atuação, cresce o interesse em torno do assunto.

Pela proposta inicial, os primeiros Certificados de Atualização Profissional (CAP) começarão a ser emitidos a partir de 2011. No entanto, muitos médicos que obtiveram o documento que comprova a especialização a partir de 2006 ainda não se inscreveram no processo obrigatório de atualização. Para os médicos cuja titulação de especialista tenha sido emitida antes desta data pelas sociedades de especialidade, pela Associação Médica Brasileira (AMB) e ainda pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) do Ministério da Educação, a participação é opcional.

Para recertificar-se, o médico deve acumular, em cinco anos, 100 pontos. A pontuação é obtida por meio da participação em eventos presenciais (congressos, jornadas, encontros, fóruns, simpósios e cursos), eventos à distância (atividades de educação médica continuada) e atividades científicas (mestrado, doutorado ou livre-docência na especialidade; tema livre ou pôster; eventos realizados no exterior; coordenação de programa de residência médica; edição completa ou capítulo de livro nacional ou internacional e artigos publicados em revista médica). Todos os eventos devem estar cadastrados e pontuados pela CNA.

No debate a ser realizado em Aracaju, pretende-se aprofundar a reflexão acerca de cada dessas modalidades, avaliando-se os prós e os contras que elas agregam. Uma das preocupações fundamentais das discussões será sobre a forma de inserção do profissional médico nos diferentes modelos, tendo como meta eliminar a chamada precarização do trabalho na área, o que traz prejuízos para a sociedade como todo.

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner