Representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM) e dos Conselhos Regionais de Medicina, reunidos na última quinta-feira (3), em Brasília, aprovaram uma nota em que mantém as críticas ao programa Mais Médicos. O texto foi aprovado no mesmo dia em que o Ministério da Saúde divulga avaliação da população ao programa. Os conselheiros argumentam que o Mais Médicos padece dos mesmos problemas criticados há um ano, como a ausência de revalidação dos diplomas dos intercambistas, o que expõe a população das regiões mais carentes, e a falta de transparência e de fiscalização do convênio firmado com a Organização Pan-americana de Saúde (Opas).

A nota também cobra o envio, pelo governo, dos locais de trabalho dos intercambistas e o acesso à relação de tutores e supervisores, informações essenciais para que os CRMs possam fiscalizar o programa. O texto também critica o subfinanciamento do setor saúde e cobra do governo soluções definitivas para fixar os profissionais de saúde no interior e nas periferias das grandes capitais, como a criação de uma carreira de Estado.

Leia, abaixo, a nota do CFM e dos CRMs:
 

NOTA DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE MEDICINA
Assunto: Balanço do Mais Médicos
 
 
Brasília, 4 de setembro de 2014.
 
                O Conselho Federal de Medicina (CFM) e os Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) mantém sua posição crítica com relação ao Programa Mais Médicos no que se refere aos aspectos abaixo, entre outros pontos:
 
– ausência de validação de diplomas dos intercambistas pelo Revalida e de comprovação da formação dos participantes com currículo e carga horária compatíveis com a formação médica praticada no Brasil, o que coloca a população, especialmente a das regiões mais carentes, vulneráveis à ação de indivíduos sem o devido preparo e qualificação;
 
– ausência de transparência e de fiscalização relacionada ao convênio firmado pelo Governo com a Organização Pan-americana de Saúde (Opas), cujas cláusulas e execução agridem a legislação trabalhista e os direitos humanos;
 
– falta de transparência sobre os locais de trabalho dos intercambistas e de acesso à relação de tutores e supervisores, informações às quais os CRMs – órgãos encarregados legalmente de fiscalizar as atividades – só têm tido acesso após ordem judicial por conta de recusa do Governo;
 
                Além desses pontos, o CFM e os CRMs questionam a inércia do Governo em não propor uma solução definitiva para a melhora da assistência em todo o país, com ênfase nas áreas de difícil provimento e no reforço da atenção básica. Para os Conselhos, a saída seria a criação de uma carreira de Estado voltada para o médico que atua no SUS, oferecendo-lhe estímulo para se instalar e permanecer nas áreas de baixa cobertura, com condições de trabalho e atendimento, acesso à educação continuada, perspectivas de progressão funcional, apoio de equipe multiprofissional e remuneração adequada.
 
                O CFM e os CRMs alerta ainda para a demora da gestão em apresentar respostas definitivas para problemas complexos e recorrentes no âmbito do SUS, como as más condições de infraestrutura, o subfinanciamento do sistema, a não execução dos recursos disponíveis, a dificuldade de acesso aos serviços, a demora no atendimento e as crises que afetam os serviços de urgência e emergência e a rede hospitais complementares (filantrópicos e conveniados).
 
                Finalmente, ressaltam que todos estes pontos têm contribuído para a má avaliação da saúde no Brasil, conforme pesquisa recente do Datafolha, pela qual 92% dos brasileiros estão insatisfeitos com a qualidade dos serviços, atribuindo-lhes notas de zero a sete, sendo que 60% da população atribui, no máximo, média quatro.
 
CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM)
CONSELHOS REGIONAIS DE MEDICINA (CRMs)
Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.