Na última terça-feira (4) nos deparamos com a notícia de agressão ao médico, Jorge Ivan Alves Bezerra, médico em Paraíso do Tocantins, tendo como agressor um agente penitenciário da cidade.

O médico foi ameaçado com arma para agilizar socorro ao filho do agente que não teve o nome revelado. Como a criança estava sangrando o pai estava exigindo atendimento imediato e começou a gritar com os funcionários da unidade de saúde. Nesse momento, um médico que estava atendendo em um consultório saiu para verificar o que estava acontecendo.

O profissional da saúde teria pedido calma, mas o homem puxou uma pistola em direção a ele, de acordo com a PM. O hospital estava lotado, com pelo menos 50 pessoas, que ficaram muito assustadas com o caso. O médico se trancou em uma sala até que o carro da polícia chegou ao local. O homem foi detido e levado para a Central de Flagrantes de Paraíso do Tocantins.

De acordo com os profissionais da saúde, a criança foi atendida, ela apresentava apenas uma lesão superficial, sem gravidade, o ferimento foi suturado e a criança encaminhada para casa.

Repúdio

O Conselho Regional de Medicina repudia qualquer tipo de ameaça e agressão ao médico no seu exercício profissional e esclarece que a crise no SUS tem levado a população, em alguns casos, a responsabilizar os médicos pelo caos na saúde, sendo isso um equívoco, aqui o CRM-TO afirma e esclarece que os maiores problemas e gargalos da saúde são acarretados pela má gestão dos recursos pelos poderes competentes.

Desagravo

O Código de Ética Médica, no capítulo Direito do Médico tipifica no inciso VII à possibilidade de requerimento de Desagravo Público. Tal direito, ainda, encontra respaldo na Constituição Federal Brasileira, que no artigo 5o, inciso V, tipifica “ é assegurado o direito de resposta ao agravo, além de indenização por dano material, moral ou à imagem”. O desagravo publico é possível quando o medico é atingido no exercício de sua profissão.

Pesquisa

Segundo levantamento do Datafolha, em conjunto com Conselho Regional de São Paulo (Cremesp), demora no atendimento é apontada como principal causa de agressão a médicos.

Os profissionais da medicina não são os únicos que se queixam da violência no sistema de saúde. Os Conselhos Regionais de Enfermagem são acionados com freqüência pelo mesmo motivo. 

O principal motivo das agressões sofridas por médicos, segundo os pacientes, é a demora no atendimento (41%), a falta de médicos que gera a lotação em hospitais (18%). Entre as causas para um ambiente conflituoso nas unidades de saúde, está as longas jornadas, a falta de equipe e equipamento. Pelo lado dos pacientes, a espera para o atendimento que leva a um hospital cheio faz com que eles se sintam cada vez mais distantes do médico.

Em dezembro de 2015 foi divulgado pelo CREMESP pesquisa sobre agressões à médicos no exercício profissional.

Segundo apurado, 77% dos médicos conhecem um colega que sofreu algum episódio de violência na relação com pacientes. A maioria era de médicos jovens (78% de 24 a 34 anos). Em 70% dos casos, os agressores foram os pacientes.

Segundo os dados, 84% dos médicos que sofreram agressão alegam ter sido atacados verbalmente e 80%, psicologicamente; 60% revelam que os problemas ocorrem geralmente durante a consulta; 32% dizem que episódios de violência ocorrem sempre ou quase sempre; e 85% profissionais têm percepção de que os episódios ocorrem mais no Sistema único de Saúde (SUS). (Com informações do G1 Tocantins). 

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.