Em três visitas realizadas pelo departamento de fiscalização do CRM-TO, na última semana do mês de março, muitos problemas foram encontrados nos hospitais Dona Regina e no Hospital Infantil de Palmas.

No último dia 26 foi detectada pela entidade que a UTI do Hospital Dona Regina está sendo terceirizada, modelo já testado pelo Governo do Estado anteriormente, sem êxito, e com resultados catastróficos. Segundo informações constatadas pelos fiscais in loco, a empresa que está fazendo o trabalho é a Humanitar do Estado de SP, do médico Rodrigo Rossini Dias Luz, com registros profissionais nos Conselhos de São Paulo e do Pará.

Durante a visita foi detectada também a presença de apenas dois médicos sem registro e visto provisório no CRM-TO, para cuidar de 19 leitos. O que é preconizado, e é necessário, para esta quantidade são quatro profissionais, de acordo com a Resolução 7/2010 do Ministério da Saúde para não colocar em risco a vida dos pacientes assistidos.

Já no dia 31 de março, em nova visita do Conselho, foram notificados pela Entidade mais quatro médicos atendendo sem o registro do CRM-TO ou visto provisório, ato irregular de acordo com artigo 17 do Código de Ética Médica e Resolução número 1948/2010 e alteração 2011/2013.

Hospital Infantil

Muitos problemas também foram encontrados no Hospital Infantil de Palmas. Super lotação, devido pequeno espaço físico do local e alta demanda, leitos insuficientes, falta de muitos medicamentos, materiais e equipamentos. Um exemplo de ausência de equipamentos é do simples ambu infantil, uma espécie de reanimador pulmonar manual de silicone, outra falta grave, é que no centro cirúrgico do hospital não possui extintor de incêndio.

Não há médicos plantonistas na emergência, e os médicos de outros setores estão se dividindo para cobrir o pronto-socorro. Os pacientes de fibrose cística estão no mesmo ambiente que os pacientes do pronto-socorro, o que contribui para aumento de risco de infecção respiratória nos pacientes com a doença instalada.

Falta medicamento

A lista de medicamentos faltantes é grande na farmácia, faltam 89 tipos de remédios simples como: ampicilina, cefalexina, glicose injetável, soro entre outros. No centro cirúrgico faltam 27 itens fundamentais como luva de procedimento, agulhas especiais infantis, noradrenalina, aparelho de glicemia, sonda e muito mais.   

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.