O Conselho Regional de Medicina do Estado do Tocantins – CRM/TO, no uso de suas atribuições legais, executa ordinariamente fiscalizações nos estabelecimentos de saúde públicos e privados do Estado do Tocantins, a fim de garantir o perfeito desempenho ético e técnico da medicina, bem como propiciar um serviço de saúde de qualidade à sociedade.

Constata-se, com frequência, nas fiscalizações realizadas, a inexistência de Diretor Técnico em estabelecimentos de saúde, o que fere a legislação de regência, em especial nos estabelecimentos de saúde que realizam serviços de preceptoria de estágios e residências médicas.

Vale ressaltar que o Diretor Técnico é um médico responsável pelo exercício ético da medicina no estabelecimento de saúde, com a incumbência de assegurar as condições adequadas de trabalho e os meios imprescindíveis a uma boa prática médica, supervisionar e coordenar todos os serviços técnicos desenvolvidos no estabelecimento de saúde, além de observar o cumprimento das normas em vigor, devendo, ainda, garantir o funcionamento pleno e autônomo das comissões de ética e das demais comissões obrigatórias, dentre outras atribuições, nos termos da Resolução CFM nº 2.147/2016.

A obrigatoriedade do cargo de Diretor Técnico está prevista no ainda vigente Decreto Federal nº 20.931/32, o qual dispõe em seu art. 28 sobre a obrigatoriedade de Diretor em qualquer organização hospitalar, in verbis:

Art. 28 Nenhum estabelecimento de hospitalização ou de assistência médica pública ou privada poderá funcionar, em qualquer ponto do território nacional, sem ter um diretor técnico e principal responsável, habilitado para o exercício da medicina nos termos do regulamento sanitário federal.  

Por sua vez, a Lei Federal nº 3.999/61 estabelece em seu art. 15 que “os cargos ou funções de chefias de serviços médicos somente poderão ser exercidos por médicos, devidamente habilitados na forma da lei.”

Corroborando e regulamentando tais dispositivos, foram editadas diversas resoluções pelo Conselho Federal de Medicina – CFM, destacando-se as Resoluções CFM nº 997/1980, 1.980/2011, 2.007/2013, 2.056/2013 e 2.147/2016.

Percebe-se das normas citadas que a existência de Diretor Técnico médico em estabelecimento de saúde é obrigatória por imposição legal, sendo que as peculiaridades do cargo são definidas por meio das resoluções citadas, o que demonstra a importância e imprescindibilidade da função, mormente quando o estabelecimento realiza atividades de ensino médico por meio de preceptoria.

Diante disso, a Plenária do CRM/TO, em sessão realizada no dia 28 de Março de 2019, decidiu reiterar  recomendação aos médicos do Tocantins, no sentido de suspenderem as atividades acadêmicas (preceptorias de estágio/internato e de residência médica) em estabelecimentos de saúde que não possuem Diretor Técnico médico devidamente registrado no Conselho, conforme determina legislação.

Registre-se, por fim, que membros da Diretoria do CRM/TO já estiveram reunidos com o Secretário Estadual de Saúde na busca de resolução do problema, a fim de que as nomeações dos Diretores Técnicos em estabelecimentos de saúde públicos ocorram com a maior brevidade possível, em atendimento ao anseio da classe médica e da sociedade por uma saúde de excelência.

Palmas, 29 de Março de 2019.

JORGE PEREIRA GUARDIOLA

Presidente

 

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.