O Conselho Regional de Medicina do Tocantins (CRM-TO) após várias vistorias realizadas no Hospital Geral de Palmas (HGP) sempre constatou graves irregularidades na Tenda/Anexo e nos corredores do hospital, o que levou a entidade a decisão de expedir a interdição ética.

A interdição foi expedida na manhã desta segunda feira (03/10), apenas para dois locais do hospital: Anexo e Corredores. Os dois espaços segundo fiscais do CRM-TO são desumanos, desrespeitam várias normas e condutas éticas profissionais, além do desrespeito a integridade do paciente, falta de aeração, exposição ao sol, pacientes femininos e masculinos em um mesmo ambiente. Sem falar da falta de medicamentos e insumos básicos.

Interdição ética: Pacientes internados serão assistidos até sua alta, urgência e emergência são obrigatório atendimento e se necessário internação, o local passa a ser uma questão administrativa.

Orientação: Médicos foram orientados pelo CRM-TO caso precisem internar seus pacientes, a escrever no prontuário do paciente, diagnostico, prognostico, todos os procedimentos realizados, além de descrever detalhadamente todas as situações de dificuldades ocorridas. Toda orientação está no artigo 2º da resolução CRM-TO, número 095/2016 de 30 de setembro de 2016, também afixada nos locais interditados do HGP.

Médicos que tiverem dúvidas a respeito da sua atuação podem entrar em contato com setor de fiscalização do CRM-TO para mais informações a respeito da conduta médica após a interdição.  (63) 21118117 ou 21118143.

Reunião: Antes de expedir a interdição definitiva o Conselho ainda promoveu na última semana, reunião entre Sesau-TO, MPE-TO, HGP e Vigilância Sanitária e membros do CRM-TO, a fim de encontrar uma solução e colaborar para resolutividade dos graves problemas enfrentados por pacientes e cidadãos que procuram o maior hospital do Estado (HGP),e que ficam internados no Anexo (tenda) e corredores. O secretário Marcos Musafir esteve presente na ocasião com membros da sua equipe.

Tenda: A tenda ou anexo foi inaugurada em dezembro /2013 com o objetivo de ser provisória e tirar pacientes dos corredores do hospital, hoje encontra-se como permanente, e é um grave risco a saúde da população tocantinense, pela precariedade de suas instalações insalubres e periculosas. 

 

Arquivo relacionado:

Resolução nº 95/2016

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.