O Conselho Regional de Medicina do Tocantins (CRM) apresentou à imprensa na tarde desta quarta-feira, 25, relatório sobre fiscalização no Hospital Geral Público de Palmas (HGP). No documento é relatada a falta de diretor técnico, medicamentos, armazenamento irregular de remédios, recursos humanos insuficientes para a demanda, além de problemas estruturais da unidade.

De acordo com o vice-presidente do CRM-TO, Hélio Maués, a fiscaçlização ao Hospital Geral de Palmas, ocorreu por vários motivos, mas principalmente, pela constatação de pacientes em condições precárias, e devido à unidade não ter diretor técnico. “No nosso relatório ficou confirmado que não tem diretor técnico. Esta pessoa, que deve ser um médico, é fundamental em qualquer área da saúde. Do ponto de visto ético, uma unidade não pode funcionar sem esse profissional. O CRM-TO pode até impedir todos os médicos de trabalhar por falta dessa pessoa tão importante”, afirmou.

Relatório

De acordo com o levantamento feito pelo CRM-TO, na farmácia do Hospital Geral de Palmas faltam cerca de 24 medicamentos diferentes. Entre os citados estão à glicose, ampicilina e tramadol.

No documento consta também que na UTI – unidade de terapia intensiva falta equipamentos de proteção individual e roupas adequadas para pacientes e a equipe de saúde. O mesmo problema também foi constatado no centro cirúrgico. Na UTI ainda foi encontrada a existência de um surto de infecção por bactéria KBC.

Órgãos

O relatório e todos os dados constatados serão encaminhados para as autoridades do Estado, que foram convidadas para apresentação do Relatório. Apesar do convite, Secretaria da Saúde, Ministério Público do Estado e Defensoria Pública não enviaram representantes. 

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.